..: Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus :..


Redes Sociais

  • Facebook
  • Youtube

Goiânia, 02 de Abril de 2020

Formação - A relação sexual é a expressão visível (física) do vínculo conjugal invisível (espiritual).

A relação sexual é a expressão visível (física) do vínculo conjugal invisível (espiritual).

Vamos nos casar dentro de dois meses. Nós sabemos que já nos comprometemos um com o outro e já somos sexualmente ativos. Qual é a grande diferença entre fazermos sexo agora e fazermos depois do casamento?
 
 
 
Dia-dos-Namorados-prepare-um-jantar-leve-e-romantico-em-casa
 
 
 
 
 
 
 
 
Esse é precisamente o problema: a não ser que vocês mudem seus corações, não haverá diferença. O que vocês fazem na cama agora não é uma renovação dos votos matrimoniais; não é um abraço conjugal. E, sendo assim, vocês estão, na verdade, praticando uma versão não conjugal (e, portanto, desonesta) do sexo. É claro que uma mudança de coração é possível. Mas sem ela vocês irão trazer esse mesmo pensamento e comportamento não conjugal para dentro do seu quarto mesmo depois de estarem casados.
 
 
 
 
A relação sexual é a expressão visível (física) do vínculo conjugal invisível (espiritual). É onde as palavras dos votos matrimoniais se tornam carne. É parte integrante do sinal do sacramento do matrimônio que, para os católicos, apenas acontece quando os noivos trocam um consentimento válido na presença de um padre ou diácono e duas testemunhas. Não é apenas a expressão de um sentimento que vocês têm em seus corações de "já estarem comprometidos".
 
 
 
Esse sentimento é compreensível. Eu me lembro de quão comprometido com a Wendy me senti quando ficamos noivos. É correto dizer que, em certo nível, casais que ficam noivos já estão "comprometidos".
 
 
 
 
Comprometidos com o quê? Com o fato de que vão se casar. Senão, não estariam planejando um casamento. Porém, os casais de noivos também precisam reconhecer que ainda não estão casados. Senão, não estariam planejando um casamento.
 
 
 
 
Por mais que eu me sentisse comprometido com a Wendy quando ficamos noivos, ela ainda não era minha esposa até que o Espírito Santo estabeleceu o vínculo conjugal entre nós. E isso não aconteceu no momento em que eu a pedi em casamento e ela disse sim. Não aconteceu quando nos encontramos com o nosso pároco para discutir a data e os preparativos do casamento. Não aconteceu quando reservamos o lugar da festa, nem quando enviamos os convites. Não aconteceu no ensaio que fizemos na Igreja na noite anterior. Tudo isso eram indícios claros de que estávamos comprometidos a nos casar. Mas não eram um compromisso absoluto e irrevogável. Ainda éramos livres para mudar de ideia até o momento em que trocamos nosso consentimento no altar. Naquele momento o Espírito Santo estabeleceu o vínculo conjugal entre nós. Quando consumamos nosso casamento, sabíamos que estávamos selando e completando o vínculo espiritual estabelecido entre nós naquele dia. Essa é a alegria do sexo sacramental. Esperar por aquilo que é verdadeiro. Apesar de vocês já terem feito sexo, não há razão para não parar agora. Se vocês forem católicos, podem se confessar e esperar até que a união física de vocês seja uma expressão sincera do vínculo espiritual do matrimônio. Essa é uma das melhores coisas que vocês podem fazer para se preparar para esse sacramento maravilhoso.
 
 
 
Extraído de: ""Boas novas sobre sexo e casamento"" - respostas para as suas principais dúvidas sobre o ensinamento católico - Christopher West
►► Leia também os textos anteriores
 

Data: 10/12/2019

Comentários

Subir


Facebook
Telefone: (62) 3584-3843
Av. Circular, Qd. E, Lt. E-1 – Setor Expansul - Aparecida de Goiânia/GO - Brasil Cep 74986-250
Copyright © 2020 - Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus. Todos os direitos reservados.